Aulas de Xadrez

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Xadrez - Erros de arbitragem...

Quando assistimos uma partida de futebol, seja pela televisão ou ao vivo, fica claro que o árbitro, por muitas vezes se equivoca. E isto acontece por vários motivos, entre eles posso citar o mais comum, a dinâmica do jogo. Tudo é muito rápido e a decisão também deve ser.

Foi até pensado em colocar um chip na bola, evitando assim as dúvidas se a bola entrou no gol ou não e favorecendo a marcação dos impedimentos.
Os dois esportes são diferentes. Temos também as competições por equipes. Quatro por quatro. Em alguns países, as Ligas tem competições por equipes com até oito tabuleiros.

Mas a maior diferença com o futebol é a competição individual. A regra é a mesma para os dois tipos de competições. Enquanto em uma partida de futebol, três árbitros de campo e dois auxiliares arbitram e controlam 22 jogadores. Nós, árbitros de xadrez, podemos chegar a ter mais de 250 jogadores ao mesmo tempo e quase sempre com uma equipe igual ou menor de árbitros.
Podemos escolher o sistema eliminatório, que é mais rápido. Mas o mais utilizado em 70% das vezes é o sistema suíço. E para este tipo de sistema, todos os jogadores que iniciam a competição, chegam ao seu final, sendo campeão o, ou os jogadores que alcançarem o maior número de pontos possíveis.

Isto influencia diretamente na arbitragem de cada evento, já que não temos para 250 jogadores, a quantidade de árbitros necessária. Principalmente pelo custo final que alcança.
Para 250 jogadores, seriam 125 mesas. Pelo costume, seria um árbitro a cada 50 jogadores.

Mais ou menos vinte anos atrás, Jogos Abertos do Paraná em Campo Mourão. Passando por uma das mesas da competição por equipes, vejo que um jogador toca em uma peça. Volta seu lance e faz outro. Sendo um lance possível, imediatamente falo para o jogador. A peça foi solta na casa, tem de ficar aonde foi solta. Algumas trocas de opiniões sobre o acontecido e ao final ele pergunta. Calleros, quantas mesas temos nesta competição? Mais de cem, eu respondo. Sinceramente, você tinha de estar passando justamente na minha partida? Acabamos rindo um pouco da pergunta, mas ele concordou em jogar a peça.

Este tipo de pensamento se faz presente em muitos países. Contrariando a regulamentação que nos informa que um jogador com pouco tempo de partida, terá um acompanhamento de um árbitro anotando os lances. O pensamento é, se não temos uma quantidade suficiente de árbitros para cuidar de todas as partidas, não cuidamos de nenhuma. É uma interpretação.

Os Árbitros de Xadrez ou de Futebol erram e antes de tudo, são humanos. Temos de decidir no calor da batalha? Por muitas vezes sim, mas podemos tomar algumas atitudes que um árbitro de futebol não pode. Podemos em caso de dúvida, recorrer à regulamentação escrita. Em alguns casos até trocar de opinião, caso tenhamos certeza de que é a melhor e correta decisão.
No futebol, nunca, ou raramente, veremos um árbitro marcar um pênalti e voltar atrás.

Todos os árbitros de xadrez já cometeram algum erro. E os motivos são os mais variados. O desconhecimento da regulamentação e interpretação equivocada ao atender a partida, autoconfiança exagerada e falta de experiência e sensibilidade em tratar com os jogadores.
Poderíamos dizer que cada partida é um “barril de pólvora”? Certamente, e é por isto que ao atender uma partida, devemos faze-lo da melhor maneira possível, sempre com muita educação.
O erro, pequeno ou grande, importante ou não. Apenas um deslize? Um esquecimento? Um jogador dobrado no emparceiramento inicial? E por aí vai.

O que vou contar realmente aconteceu. Clube de Xadrez São Paulo - SP, Campeonato Brasileiro Absoluto de 1988. Tinha recebido o título de AI no ano anterior e este era o meu primeiro Absoluto como principal. Acredito que tenha sido o último brasileiro com 18 jogadores, dezessete rodadas. Minha esposa quase me jogou para fora de casa após tanto tempo em um só evento.
A CBX me convidou para arbitrar o evento por ser um árbitro de fora do estado organizador, e foi com este evento que acabei pagando o meu diploma de AI.
Como é normal em uma final de brasileiro, tínhamos jogadores fortes e conhecidos, Herman, Rocha, Darcy, Helder, Cícero entre outros. Não me lembro de todos.

Em uma das rodadas tivemos a suspensão de uma partida. O tempo era 2 horas para quarenta lances mais uma hora para 20 com suspensão após 60 lances e seis horas de jogo.
Era uma partida do Tsuboi. Os requisitos para a suspensão foram cumpridos. Entreguei o envelope ao jogador que iria “selar”. Colei o envelope, durex, assinatura, conferencia dos dados. Fui para o hotel descansar com aquele envelope da suspensão, que seria jogada no dia seguinte pela manhã.
Jantei, vi televisão, coca-cola, bolacha. Antes de dormir, por algum motivo dei uma olhada no envelope e fiquei completamente gelado. Faltava alguma coisa. Alguma coisa? Um dos itens mais importantes que deveria estar escrito no envelope. Justamente faltava o tempo da partida.
O que fazer? A esta altura o CXSP já estava fechado. Era uma da manhã. Quase não dormi de preocupação. Primeiro brasileiro como principal e tinha pisado no tomate. Que barbaridade.
Após dar uma olhada nas regras, acabei dormindo. Levantei bem cedo, tomei café e fui para o CXSP. Foi uma eternidade até abrirem a sala. O que vi quando entrei? Que felicidade! A mesa, as peças e o tempo do relógio da competição do dia anterior estavam exatamente no lugar! Não tinham sido modificados. Um árbitro tem de ter um pouco de sorte de vez em quando. Não sempre, mas de vez em quando.
Qual a possibilidade de três pessoas deixarem passar uma informação importante desta? Muito difícil, mas acontece. O que sempre falo é, quando o desastre tem de acontecer, ele acontece.

Para finalizar, o mais importante é não errar, mas se acontecer, o principal é de que maneira absorvemos isto? Sendo árbitros principais, adjuntos ou auxiliares.

4 comentários:

Edmundo disse...

Hahaha!!!

Televisão, coca-cola, bolacha, já presenciei diversas vezes...

Agora, AI Calleros não dormir o "sono dos justos", não dá para acreditar.

Tenho certeza que dormiu, e bem, com um "teco" de bolacha nos lábios...

Luiz Carlos disse...

"Não grita alto a tua felicidade, a inveja tem sono leve."
Caríssimo , e competente arbitro internacional de xadrez , admirado não só por mim, mas por muitos dos nossos amigos, pela sua maneira de ser .Estamos , em uma duvida, e não conseguimos encontrar a resposta nos regulamentos .
Neste Torneio por Equipes Internacional, que está sendo realizado em Mendes-RJ, é permitido trocar os jogadores na ordem dos tabuleiros em qualquer rodada, desde que comunicado a arbitragem , logo após o termino da rodada anterior? Ou talvez , desde a primeira rodada , desde que com tempo para que seja efetuada a tabela? Se existem dois reservas , substituições podem ser feitas? Mas , entre os mesmos titulares, poderá ser mudada a disposição da equipe ? É usado algum critério de "rating", para ser o tabuleiro 01,02,03,04 ?
Desculpe o incomodo , mas estamos respondendo para 62.000 membros da comunidade "Xadrez" e outras.
Vescovi ou Fier na 01 ? ou seria Milos na 01?
Para enfrentar o melhor dos cubanos ou o pior deles na mesma mesa 01? Esta orientação das equipes , é usada para "tentar mudar forças" ?
Desculpe ,pelo transtorno , mas conhecendo o amigo , sei que nos ajudará a conhecer os primeiros passos desta formação das equipes e suas possiveis mudanças.
Felicidades em seus trabalhos e na vida pessoal e coletiva.
Gratos.
Luiz Carlos.

Carlos Calleros disse...

Mestre Luiz Carlos. A regulamentação oficial está no endereço http://www.fide.com/fide/handbook?id=99&view=article.
Em competições por equipes devemos estabelecer a ordem inicial dos tabuleiros, de 1 a 6, sendo os quatro primeiros titulares e os dois últimos reservas.
Pela relação que está na página oficial do evento, após análise das equipes adversárias, os capitães distribuiram seus jogadores da melhor maneira possível.
Deve reparar que todas as equipes, menos Venezuela, para os quatro primeiros jogadores, seguiu o rating FIDE, do maior para o menor.
Já nos reservas houve inversão de rating em mais de uma equipe.
Quanto à substituição, o capitão antes de encerrar o tempo limite, pode entregar ao árbitro uma lista de jogadores que participarão de cada rodada, sempre obedecendo a ordem olímpica. Exemplo: jogam na rodada o 1, e 2, 3 e 4 não. Então a equipe fica 1, 2, 5 e 6. Quando existe substituição seus jogadores sempre "sobem"
Abraço
Calleros

Luiz Carlos disse...

Felicidades e vitórias permanentes nos seus trabalhos de enorme valor no nosso meio enxadristico...
Gratissimos.
Luiz Carlos.

Postar um comentário