Aulas de Xadrez

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

O Bom, o Mau e o Feio

Um estudo sobre o valor e o potencial do bispo no Xadrez.


Para se escolher uma estratégia adequada a uma determinada posição é fundamental conhecer temas estratégicos, um deles é o valor dinâmico e potencial de cada peça.
Vários autores consideram dentre as peças menores, o bispo e o cavalo como peças de valor equivalente.

Usualmente utiliza-se a seguinte tabela comparativa:
• Peão = 1 ponto
• Cavalo = 3 pontos
• Bispo = 3 pontos
• Torre = 5 pontos
• Dama = 9 pontos
• Rei = valor absoluto
Porém o valor das peças pode variar de acordo com a posição e funcionalidade.
A seguir veremos como o bispo pode assumir valor relativo em diferentes posições.


O Bispo Bom

Considera-se um bispo “bom” quando os peões de seu bando estão ocupando casas de cor oposta a sua. Isto se aplica quando a cadeia de peões não pode ser modificada com facilidade.
Neste caso o bispo não tem seu raio de ação e sua mobilidade atrapalhada por seus próprios peões.


O Bispo Mau

Considera-se um Bispo “mau” quando os peões de seu bando estão ocupando casas de mesma cor que a sua (quando a cadeia de peões não pode ser modificada com facilidade).
Neste caso os próprios peões restringem a atuação do bispo.

Diagrama 1


No diagrama 1 apresenta-se uma posição onde o material está exatamente igual, porém as brancas estão em vantagem devido a diferença entre os bispos.
O bispo branco de d3 pode atacar ao mesmo tempo a ala da dama e a ala do rei e seus peões não atrapalham seu raio de ação. Já o bispo negro em c6 tem sua mobilidade reduzida por sua própria cadeia de peões.


Diagrama 2


No diagrama 2 as brancas tem três peões em casa da mesma cor de seu bispo e apenas dois em casa diferente da cor de seu bispo. Porém os três peões do flanco da dama podem facilmente mudar sua posição.
Neste caso o que determina se o bispo é mau ou bom é a posição dos peões da ala do rei que estão bloqueados. Assim o bispo das brancas é bom e o bispo das negras é mau.


Diagrama 3
Najdorf X Bronstein

O valor dos bispos é um fator estratégico importante. Considerando-se este fator posicional, cada jogador buscará posicionar seus peões em casa de cor oposta a de seu próprio bispo, o que facilitará bloquear os peões adversários em casas acessíveis ao seu bispo. Além disso, estes conceitos devem ser considerados ao efetuar trocas de peças.
Na posição do diagrama 3, Bronstein usou esta idéia contra Najdorf jogando: 1... Bc3; 2.Dc3, De5; 3. De5, de5. e a vantagem que obteve com o bispo bom foi suficiente para ganhar a partida.


Utilizando o conceito de bispo bom na prática

Partida 1: Sakellaropolos x Boleslavsky (Helsinki, 1952)

1. d4, Cf6;
2. c4, g6;
3. Cc3, Bg7;
4. e4, 0-0;
5. Cf3, d6;
6. Be2, e5;
7. d5, Cbd7;
8. 0-0, Cc5;
9. Cd2, a5;
10. Dc2, Bh6!; (jogado pela 1ª vez por Petrosian, 1950/URSS Ch.)
11. Cb3, Bc1;
12. Tac1, Cfd7;
13. Cc5, Cc5;
14. f4?, ...;(criando debilidade em e4,melhor seria Dd2)
... ef4;
15. Tf4, Dg5;
16. Tff1, Bd7;
17. Tce1, Tae8;
18. Bd3, f5;
19. Db1?, ...;(se 19.ef5, Te3!; melhor seria 19. Rh1)
..., fe4;
20. Ce4, Ce4;
21. Be4, Tf1+;
22. Rf1, Df4+;
23. Rg1, De5;
24. Rf1, ... (forçado para evitar 24...Bf5)
... Dh2,
25. Bf3, Dh1+;
26. Rf2, Dh4+
27. Abandonam


Partida 2: Agora uma partida minha, que venci é claro!
OBS: A anotação está em Inglês


O Bispo Feio

Os conceitos de bispo bom e bispo mau já são bastante conhecidos e tratados em diversos manuais de xadrez. Decidi incluir neste estudo o conceito de bispo feio como uma brincadeira. Neste caso o bispo é aparentemente mau, porém rapidamente se transforma em um bispo bom, então neste caso considerei que na verdade o bispo era apenas feio.

Diagrama 4 Alekhine-Johner

Para exercer sua força o bispo necessita de diagonais abertas. Este exemplo mostra como a abertura de diagonais pode melhorar a efetividade de um bispo, transformando um bispo feio em “herói”. Isso só foi possível devido à mobilidade dos peões.

A partir do diagrama 4 seguiu:
44. e5, de5; (Se 44..,e5; 45.f6!, Df6; 46.Dg4+ seguido de 47. Be4+-)
45. d6!, c5 ; (Se 45..,cd6;46. c5! E 47. Bb3+
46. Be4, Dd7;
47. Dh6! Abd (não há defesa, depois de 47.... Rf7; 48.Bd5+)

Conhecer os conceitos estratégicos auxilia na compreensão do jogo e é muito importante para uma boa condução da partida.

É essa cultura estratégica que diferencia um Grande Mestre de um jogador médio. E graças a estes conhecimentos ainda é possível enfrentar computadores que calculam milhares de lances. Mas não basta apenas seguir as cartilhas estratégicas, pois o Xadrez é complexo e às vezes golpes táticos desmoronam posições estrategicamente construídas como no exemplo do bispo feio.

Por: Anderson Tatsch Dias - Baseado no Livro Estratégia Moderna em Ajedrez de Ludek Pachman - Ciclo de palestras do Clube de Xadrez de Curitiba http://www.cxc.org.br/ realizada em 18/02/2009).

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Columna Arbitral Febrero - Por el AI M. Hermida



Aos leitores do nosso blog, colocamos a disposição a coluna mensal do conhecido AI Argentino Marcelo Mariano Hermida. Nesta coluna, para conhecimento e discussão, nos informa e comenta algumas das modificações das Leis da FIDE, recentemente alteradas no Congresso de Dresden – Alemanha.

SALE 2005..... ENTRA 2009

Mientras en el mundo del ajedrez durante estas fechas se habla del Match Veselin Topalov - Gata Kamsky por el duelo de retadores o del recientemente finalizado Torneo Magistral Gibtelecom Master 2009, disputado en el peñón de Gibraltar, en las charlas arbítrales no se pronuncian otras historias que los cambios de las Leyes Oficiales de la Federación Internacional de Ajedrez, que fueron tratadas, exhaustivamente, durante su Congreso en Dresden, Alemania en Noviembre de 2008 y que entrarán en vigencia a partir de Julio de 2009.
Desde mi visión, analizaré los cambios en forma detallada para intentar prepararnos con tiempo sobre las modificaciones más significativas y que podrán ser de ayuda para jugadores y árbitros.

Leyes Nuevas, Reglas de Juego y Reglas de Competición

Una frase se ha incorporado al Art. 4.6 que merece una mención:

- Art. 4.6 Cuando se ha dejado una pieza en una casilla, como jugada legal o parte de una jugada legal, ya no puede ser movida a otra casilla en esta jugada. Se considera que el movimiento ha sido realizado cuando se han cumplido todos los requisitos pertinentes del Artículo 3. Si la jugada no es legal se realizará otra jugada en su lugar, de acuerdo con el artículo 4.5.

Uma frase foi incorporada ao Art. 4.6 que merece ser mencionada:

Art. 4.6 Quando uma peça for solta numa casa, como conseqüência de um lance legal ou parte de um lance legal, ela não pode ser movida para outra casa nesta jogada. A jogada é considerada implementada quando todos os requisitos relevantes do Artigo 3. tiverem sido cumpridos.
Se a jogada não é legal, será efetuada outra jogada em seu lugar, de acordo com o artigo 4.5.

Muchos jugadores han pedido que se cobre jugada ilegal por el solo hecho de tocar la pieza que no puede ser movida. Directamente con este articulo se acaba cualquier discusión. Ya que el jugador no accionó el reloj para que se catalogue a la jugada como ilegal.

Muitos jogadores têm pedido que aceitemos como lance impossível o fato de somente tocar na peça que não pode ser movida. Este artigo termina com qualquer discussão. Já que o jogador não acionou o relógio para que se caracterize a jogada como ilegal.

En las Reglas de Competición se observan la mayor cantidad de cambios importantes:

El Art. 6.7 aún no esta definido, la Junta Directiva de la FIDE, a través de su Presidential Board del 5 al 8 de marzo en Turquía, lo discutirá y hay dos propuestas, que seguramente traerán polémica:

Nas Regras da Competição foi observada a maior quantidade de importantes modificações:

No Art. 6.7 ainda não está definido, a Junta Diretora da FIDE, através de seu Presidential Board, de 05 a 08 de março na Turquia, será discutido e temos duas propostas, que certamente trarão polemica:

Art 6.7 Cualquier jugador que se presente ante el tablero con más de una hora de retraso sobre la hora programada para el comienzo de la sesión, perderá la partida salvo que las bases de la competición o el árbitro decidan otra cosa.

Art. 6.7 Qualquer jogador perderá a partida se chegar atrasado mais de uma hora depois do horário previsto para o início da partida, a menos que as regras da competição especifiquem ou o árbitro decida de outra forma.

Las dos propuestas son:

1. Cualquier jugador que se presente ante el tablero después del comienzo de la sesión, perderá la partida salvo que el árbitro decida otra cosa. Es decir, el tiempo prefijado es de 0 minutos. Las bases de la competición podrán especificar otro tiempo por defecto distinto.

2. Cualquier jugador que se presente ante el tablero después del comienzo de la sesión, perderá la partida.

As duas proposta são:

1. Qualquer jogador perderá a partida se chegar atrasado mais de uma hora depois do horário previsto para o início da partida ou o árbitro decida de outra forma. O tempo de tolerância é de 0 minutos. As regras da competição poderão especificar outro tempo de tolerância.

2. Qualquer jogador perderá a partida se chegar atrasado depois do início da rodada.

Esta regla, al principio, generará muchas discusiones. Primero la costumbre de varios jugadores en llegar 10 o 15 minutos tarde a la partida como una estrategia, o porque en plena apertura a los jugadores les molesta la sesión de fotos, o también los problemas de transporte, transito, horas extras en los trabajos y demás, que hará que muchos jugadores aficionados o semi profesionales se vayan alejando de la practica del ajedrez o de los torneos. Si llevamos la discusión al área profesional, no tendría que haber problemas. Hay jugadores que se dedican pura y exclusivamente a jugar ajedrez, que forman parte de la elite mundial, y que son contratados para torneos con sponsors de marcas importantes y veo bien que deban estar presentes con antelación.

A principio, esta regra criará muitas discussões. Primeiro o costume de vários jogadores em chegar 10 ou 15 minutos atrasados na partida com uma estratégia, ou porque durante a abertura da partida ficam incomodados com a sessão de fotografias. Teremos também problemas de transporte, transito, horas extras no trabalho e isto fará que muitos aficionados ou jogadores semiprofissionais comecem a deixar a prática do xadrez ou dos torneios.

Se levarmos a discussão para a área profissional, não teríamos de ter problemas. Existem jogadores que se dedicam pura e exclusivamente a jogar xadrez, que fazem parte da elite mundial, e que são contratados por patrocinadores de importantes marcas e vejo bem que estejam presentes com antecipação.

· Art. 6.10 Excepto los casos donde se aplique uno de los Artículos 5.1 (a), (b), 5.2(a), (b) o (c), si un jugador no completa el número prescrito de jugadas en el tiempo asignado, pierde la partida. Sin embargo, la partida es tablas si la posición es tal que el adversario no puede dar mate al jugador mediante cualquier posible combinación de jugadas legales, incluso jugando de la forma más torpe. (el texto en rojo se elimina)

· Art. 6.10 Exceto quando se aplicam as disposições contidas nos Artigos 5.1, 5.2 (a), (b) e (c), perderá a partida o jogador que não completar, em seu tempo, o número prescrito de lances. Entretanto, a partida está empatada, quando se alcança uma posição em que o oponente não pode dar xeque-mate no rei do oponente por qualquer seqüência de lances legais possíveis, mesmo pelo mais inábil contra-jogo. (texto em vermelho a ser retirado).

· Art. 7.4 b. Después de actuar conforme al Artículo 7.4(a), para las dos primeras jugadas ilegales el árbitro concederá en cada caso dos minutos de tiempo extra al adversario; para una tercera jugada ilegal del mismo jugador, el árbitro decretará la pérdida de la partida para el infractor. Sin embargo, decretará tablas si la posición es tal que el oponente no puede dar jaque mate al rey del infractor mediante cualquier serie de jugadas legales.

· Após a adoção das ações descritas no artigo 7.4 (a), para os dois primeiros lances ilegais feitos por um jogador, o árbitro deverá dar dois minutos extras ao oponente, a cada instância; para o terceiro lance ilegal efetuado pelo mesmo jogador, o árbitro deverá declarar a partida perdida para este jogador. Entretanto decretará empate se a posição e tal em que o oponente não pode dar xeque mate ao Rei do infrator com qualquer seqüência de lances legais.

· Artículo 9: La partida tablas

9.1 a. Las bases del torneo podrán prohibir a los jugadores acordar tablas antes de un número concreto de jugadas o en absoluto, sin el consentimiento del árbitro.
Esta regla es muy aceptada por la mayoría de los jugadores.

· Artígo 9: As partidas empatadas

9.1 a. A regulamentação do torneio poderá proibir aos jogadores de empatar suas partidas antes de alcançar um número pré-estabelecido de lances, ou em geral, sem o consentimento do árbitro.
Esta regra é muito aceita pela maior parte dos jogadores
.


· El Art. 9.5 también sufrirá una reforma importante. Actualmente si un jugador reclama, al árbitro, tablas por 3ra repetición o porque en las últimas 50 jugadas no hubo movimientos de peón o captura de pieza y luego de verificar se encuentra que la reclamación fue incorrecta, el árbitro le añade 3 minutos al tiempo restante del adversario y además, si el reclamante dispone de más de dos minutos en su reloj, el árbitro deducirá la mitad de dicho tiempo hasta un máximo de tres minutos. Si al reclamante le quedara más de un minuto pero menos de dos, su tiempo restante será de un minuto. Si al reclamante le quedara menos de un minuto, el árbitro no realizará ajustes en su reloj.

· O Art. 9.5 também sofrerá uma modificação importante. Atualmente se o jogador reclama um empate, com base nos Artigo 9.2 e 9.3, deverá imediatamente parar ambos os relógios. Não lhe é permitido retirar a reclamação.
a. Se a reclamação for considerada correta, a partida será imediatamente considerada empatada;
b. Se a reclamação for considerada incorreta, o árbitro deverá adicionar três minutos ao tempo remanescente do oponente. Adicionalmente, se o reclamante tem mais de dois minutos em seu relógio, o árbitro deverá deduzir metade do tempo restante do reclamante, até um máximo de três minutos. Se o reclamante tiver mais de um minuto, mas menos de dois minutos, seu tempo remanescente passa a ser de um minuto. Se o reclamante tiver menos de um minuto, o árbitro não poderá fazer qualquer ajuste no relógio do reclamante. A partida deverá prosseguir e o lance pretendido deverá ser executado.

A partir de Julio de 2009, el árbitro solo le agregará 3 minutos al tiempo del rival del reclamante y no reducirá ningún minuto al jugador que reclame las tablas en forma incorrecta.

A partir de julho de 2009, o árbitro somente adicionará 3 minutos ao oponente do reclamante e não deduzirá nenhum minuto ao jogador que reivindique o empate de forma incorreta.

· 12.3 a. Durante la partida está prohibido que los jugadores hagan uso de cualquier tipo de notas, fuentes de información, consejos o análisis en otro tablero.

· 12.3.a. Durante a partida os jogadores estão proibidos de fazer uso de anotações, fontes de informação, conselhos, ou analisar em outro tabuleiro.

· b. Está prohibido tener teléfonos móviles o cualquier otro medio electrónico de comunicación sin el permiso del árbitro dentro del recinto de juego, salvo que estén completamente desconectados. Si tal dispositivo produce un sonido, el jugador perderá la partida. El oponente será declarado vencedor. Sin embargo, si el oponente no puede vencer la partida por medio de ninguna serie de jugadas legales, su puntuación será de tablas.

· b. É proibido portar celulares ou qualquer outro meio de comunicação eletrônicos no salão de jogos sem a autorização do árbitro, a não ser que estejam completamente desligados. Se o aparelho produz um som, o jogador perderá a partida. O oponente será declarado vencedor. Entretanto, se o oponente não puder vencer a partida por qualquer seqüência de lances legais, a partida será empate.

Este articulo se reformuló y se quitó la parte que decía que estaba “estrictamente prohibido llevar teléfonos móviles” y también hay diferencia en la redacción al perder la partida si suena el celular; ahora dice que si produce un sonido perderá la partida.

Este artigo foi reformulado e se retirou a parte que dizia “estritamente proibido portar celulares” e também temos a diferença na redação da perda do ponto por tocar o celular. Agora diz que se o aparelho produzir um som o jogador perderá a partida.

Según me lo ha explicado un árbitro con mucha experiencia a nivel internacional, esto puede tener consecuencias de interpretación. Cualquier sonido puede considerarse para perder la partida, por ejemplo golpear el celular contra la mesa y generar un sonido.

Segundo a explicação de um árbitro com muita experiência a nível internacional, isto pode ter conseqüências em sua interpretação. Qualquer som produzido pode ser considerado para a perda da partida, por exemplo, bater o celular contra a mesa, gerando um som.

Para finalizar con la Reglas de Competición en el Art 12.10 se hace referencia al Artículo 10.2.d o del Apéndice D, el jugador no podrá apelar la decisión del árbitro. El Art. 10.2 trata sobre la posibilidad que tiene un jugador de reclamar tablas si considera que el rival no está haciendo ningún esfuerzo para ganar la partida por procedimientos normales, o que no es posible ganar por procedimientos normales.
Con relación al Art. 10.2, a partir de julio de 2009 no será obligatorio detener el reloj para reclamar las tablas:

Para finalizar com as Regras da Competição em seu Art. 12.10, faz referencia ao At. 10.2.d ou do Apêndice D, o jogador não poderá apelar da decisão do árbitro. O Art. 10.2 trata seguinte:
a) Se o árbitro estiver convencido de que o oponente não está fazendo esforço para ganhar a partida, por meios normais, ou que não é possível o oponente vencer por meios normais, então deverá declarar a partida empatada. Se não estiver convencido deverá adiar sua decisão ou rejeitar a reclamação
b) Se o árbitro adia sua decisão, o oponente pode receber um bônus extra de dois minutos de tempo de reflexão e a partida deverá continuar na presença do árbitro, se possível. O árbitro deverá declarar o empate mesmo depois de a seta ter caído. Ele deverá declarar a partida empatada se concordar que a posição final não pode ser ganha por meios normais, ou que o oponente não estava fazendo suficientes tentativas para vencer o jogo por meios normais.
Com relação ao Art. 10.2, a partir de julho de 2009 não será obrigatório deter o relógio para reclamar empate:

Art. 10.2 Si al jugador que está en juego le quedan menos de dos minutos en su reloj, puede reclamar tablas antes de que caiga su bandera. Requerirá la presencia del árbitro y podrá parar los relojes (ver Artículo 6.13.b).

Art. 10.2 Se o jogador com a vez de jogar tiver menos de dois minutos em seu relógio, pode reivindicar um empate antes da queda de sua seta. Ele deverá chamar o árbitro e poderá parar os relógios (ver Artigo 6.13.b).

Reglas de Ajedrez Rápido

En las Reglas de Ajedrez Rápido se verán muchos cambios:

Nas Regras de Xadrez Rápido veremos muitas modificações:

Influirá la presencia del árbitro como se detalla a continuación para saber que Reglas se aplican:

· A3 Cuando se cuente con una supervisión adecuada (por ejemplo, un árbitro para un máximo de tres partidas), se aplicarán las Reglas de Competición.

A presença do árbitro influirá para sabermos que Regras serão aplicadas, conforme veremos:

· A3 Quando possamos contar com uma supervisão adequada (por exemplo, um árbitro para um máximo de três partidas), serão aplicadas as Regras da Competição.

Si no hay una supervisión adecuada entonces se aplicarán las Reglas de la Competición, salvo cuando quede anuladas por las Reglas de Ajedrez Rápido.

Se não temos uma supervisão adequada, então serão aplicadas as Regras da Competição, a não ser que fiquem anuladas pelas Regras do Xadrez Rápido.

En el ritmo de Ajedrez Relámpago (menos de 15 minutos) el cambio importante se da en:

No ritmo de Xadrez Relâmpago ou Blitz (menos de 15 minutos) uma importante modificação se apresenta em:

B3 c. Una jugada ilegal se completa en cuanto se pone en marcha el reloj del adversario. En cualquier caso, el adversario está autorizado a reclamar la victoria antes de realizar su propia jugada. Si el adversario no puede alcanzar el mate por cualquier serie de jugadas legales, incluso con las respuestas más torpes, (el texto en rojo se elimina) entonces está autorizado a reclamar tablas antes de realizar su propia jugada. Una vez que el adversario ha realizado su jugada, no puede corregirse una jugada ilegal, salvo por mutuo acuerdo sin la intervención de un árbitro.

B3 c. Um lance ilegal está completo assim que o relógio do oponente for posto em movimento. O oponente tem então o direito de reclamar que o jogador completou um lance ilegal, desde que não tenha feito seu lance. O jogador tem o direito de reivindicar empate antes de fazer seu próprio lance se o oponente não puder lhe dar xeque-mate por qualquer serie de lances legais possíveis mesmo com o mais inábil contra-jogo, (texto em vermelho a ser retirado). Após o oponente completar o seu lance, um lance ilegal não pode ser corrigido, a não ser por comum acordo entre os jogadores sem a intervenção do árbitro.

Con esta modificación se terminan las discusiones, que se acarrean desde el famoso final de partida con muerte súbita, entre Sabina Foisor (Rumania) y Monika Socko (Polonia) durante el Women's World Championship 2008, donde las jugadoras poseían Rey y Caballo contra Rey y Caballo y que ante la caída de una aguja el arbitro dio tablas y luego el Comité de Apelaciones modificó la decisión, dándole la partida perdida a la jugadora que consumió todo su tiempo, en consideración a las Leyes que decían: incluso con las respuestas más torpes.

Com esta modificação findam as discussões que se sucederam desde o famoso final de partida com morte súbita, entre Sabina Foisor (Romênia) e Monika Socko (Polônia) durante o Women's World Championship 2008, onde as jogadoras tinham Rei e Cavalo x Rei e Cavalo e após a queda da seta o árbitro deu empate. Na seqüência o Comitê de Apelação modificou a decisão dando a partida perdida para a jogadora que excedeu todo o seu tempo, em consideração às Leis que diziam: mesmo com o mais inábil contrajogo.

Como se verán las Leyes tendrán muchos cambios. Nuevamente deberemos actualizarnos y seguir investigando para poder tener un criterio uniforme y adecuarnos también a todos los avances tecnológicos que a veces atentan contra el espíritu deportivo en el ajedrez.

Como veremos, as Leis terão muitas modificações. Novamente deveremos atualizar nosso conhecimento para termos um mesmo critério, nos adaptando a todos os avanços tecnológicos que às vezes vão contra o espírito desportivo do xadrez.

En la próxima Columna trataremos el tema de las nuevas Regulaciones para los árbitros FIDE e Internacionales, que ya aprobó la Asamblea de la FIDE y que servirán para categorizar a los diferentes árbitros en Categoría A, B, C y D según su currículo.

Frase del Mes

“Estudia, Estudia y continúa estudiando hasta ser el mejor, cuando creas que ya lo sabes todo, continúa estudiando”


Para cualquier consulta o preguntas arbítrales te podes comunicar con el Arbitro Internacional Marcelo Mariano Hermida hermidamarcelo@yahoo.com.ar

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O Centro e a Natureza da Luta no Xadrez III

Fressinet, Laurent GM (2640) - Rausis, Igors GM (2498)
FRA Ch
2001.02.02
Eco C69

1.e4 e5 2.Nf3 Nc6 3.Bb5 a6 4.Bxc6 dxc6 5.0-0 f6 6.d4 exd4 7.Nxd4 c5 8.Nb3 Qxd1 9.Rxd1 Bg4

Esse lance é atualmente considerado como a opção mais ativa na variante que inicia com 5...f6. Embora permita o reforço na defesa do peão e4, por outro lado ocasiona o debilitamento das casas pretas nas diagonais g1-a7 e h2-b8, como será observado a seguir.

10.f3 Be6 11.Bf4 c4! 12.Cd4

E aqui reside um dos motivos do lance 9.Bg4. Normalmente, brancas jogariam aqui 12.Ca5, com a conhecida manobra de debilitamento do bloco de peões pretos na ala da Dama. Entretanto, esse lance é inviável, pois que seguiria 12...Bc5+, com ganho de tempo graças ao lance 10.f3.

12...0-0-0 13.Cc3 Bc5

Outro benefício proporcionado por 10.f3. Graças ao ganho de tempo proporcionado pelo lance 11...c4!, pretas desenvolvem o bispo de f8 a um local mais ativo, pressionando as casas centrais da posição branca.

14.Be3 Bd4

Evitando o golpe 15.Ce6 Be3+ 16.Rf1, com vantagem branca.

15.Bd4 Ce7 16.Ce2

Por sua vez, brancas adotam um plano que se encaixa adequadamente às exigências da posição. Deixando a casa c3 para o bispo, que assim irá pressionar a diagonal a1-h8, esse plano irá viabilizar o avanço da maioria quantitativa da ala do Rei.

16...b6 17.Bc3



Colocando o bispo a salvo de ataques com ganho de tempo (c5 ou Cc6 das pretas), e disputando a única coluna aberta no centro. Em relação a essa coluna, é importante registrar que, mediante ação branca nessa via, as pretas geralmente ficam impedidas de acessar o centro com o seu Rei. Brancas, pelo contrário, possuem livre trânsito ao centro pelo seu monarca (g1-f2-e3), que no momento oportuno poderá desempenhar papel decisivo na luta central e até mesmo no avanço de sua maioria.

17...Bf7 18.g4

Iniciando a mobilização da maioria quantitativa branca, ao mesmo tempo em que incrementa a ação do bispo na diagonal a1-h8.

18...h5 19.g5 fxg5 20.Bg7

Brancas conseguem um peão central passado. Entretanto, com a abertura de linhas decorrente das trocas necessárias para tanto, possibilitam às pretas melhoria de atividade de suas peças.

20...Thg8 21.Td8+ Txd8

Não permitindo às brancas o domínio da coluna “d” que ocorreria após 21...Rd8 22.Td1+

22.Rf2 Tg8

Se 22…Td2 23.Tc1, seguido de Re3 e a posição é muito difícil para as pretas.

23.Bf6 Cc6 24.Tg1 g4 25.f4



Uma imprecisão. Era melhor 25.Cf4, com controle absoluto das casas críticas d5-e5-e6-e7-f5-g5-g6-g7, e preparando desde já o caminho para o futuro avanço do peão de e4. A falange de peões f4-e4, imponente à primeira vista, será agora sujeita a ataque frontal, e em poucos lances o poderoso centro branco será convertido em forças dispersas.

25...Te8 26.Cc3

Se 26.Re3 Cb4 e pretas estão em vantagem.

26...b5 27.Te1

Se 27.a3 a5 28.Ca5 Te4 e pretas apoderam-se das linhas centrais.

27...b4 28.Cd5 b3!? 29.cb3?

Isso era tudo que as pretas queriam. Melhor 29.ab3 cb3 30.c4, mantendo controle firme da casa central d5.

29...cb3 30.a3 Bd5 31.ed5 Te1 32.Rxe1 Ca5 33.Rf2 Cc4 34.Bd4??



O erro decisivo, que só se explica por apuro de tempo ou perda de concentração. Era obrigatório 34.Rg3 Ce3 e pretas igualam.

34...Nd6!

Controlando a importante casa de bloqueio f5, com domínio das vias de acesso g3 e h4. O resto dispensa comentários.

35.Re2 Rd7 36.Rd3 Cf5 37.Bf2 Re7 38.Rc4 h4 39.Rb3 g3 40.hg3 h3 0-1

Nesta partida, apesar da expressiva vantagem auferida pelas brancas até a fase final, as pretas sempre se mantiveram vigilantes, sempre realizando lances com objetivo de dominar casas e linhas centrais, e nos descuidos cometidos pelo adversário souberam virar o resultado a seu favor.

a) Ruy Lopez – Variante Chigorin – abertura da coluna “d”

Essa variante da Defesa Morphy Cerrada da Abertura Ruy Lopez é caracterizada pela seguinte seqüência:

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 (Defesa Morphy) 4.Ba4 Cf6 5.0-0 Be7 (Defesa Morphy Cerrada – a alternativa aqui seria a Variante Aberta da Ruy Lopez mediante 5...Ce4) 6.Te1 b5 7.Bb3 d6 8.c3 0-0 9.h3 Ca5 10.Bc2 c5 11.d4 Dc7

Essa é a Variante Chigorin, em sua forma moderna de tratamento, já que a original consistia na manobra Cc6-a5 e c7-c5 a partir do oitavo lance, antes do roque das pretas.

Também nessa variante a abertura da coluna “d” conduz a uma complexa luta pelo domínio do centro e de linhas centrais abertas.

12.Cbd2 Cc6 13.dc5 dc5


Esta posição já ocorreu em inúmeras partidas, e sobre ela cabem algumas considerações preliminares.

Uma olhada rápida na estrutura de peões e colocação das peças, revela uma situação aparentemente paradoxal: porque, detendo o lance de saída, que sempre lhe confere a dianteira no desenvolvimento nos lances iniciais da abertura, o condutor das brancas se sujeita a uma situação restringida como a que vemos aqui? Possuem apenas um peão na quarta fila, enquanto as pretas possuem três na quinta. Suas peças ocupam posições modestas, enquanto pretas as têm mais ativas.

A razão está em que toda essa aparente passividade esconde um potencial de expansão que é justamente proporcionado pela, digamos assim, ousada atitude do bando preto (que foi característica preponderante em Miguel Ivanovitch Chigorin, considerado o Pai da Escola Russa). E esse potencial será implementado mediante o plano detalhado a seguir.

Como alternativa aos lances 13.Cf1 e 13.d5, brancas decidem-se pela abertura da coluna “d”, confiando no domínio dessa via central, bem como na exploração dos postos avançados d5 e f5. O cavalo de f3 olha fixamente o peão de e5 como presa eventual, manietando as peças pretas em sua defesa, podendo ainda saltar a g5, h4 e mesmo a h2 para auxílio no ataque branco na ala do Rei. Já o cavalo de d2 pretende empreender trajeto via d2-f1-e3 (g3) - d5 (f5), postos avançados esses nos quais, até mesmo mediante seu sacrifício, irá colaborar o mais das vezes no tormentoso ataque que usualmente as brancas dirigem ao monarca adversário. Além disso, a partir de d2, esse cavalo também vigia a casa c4, inibindo ao menos por enquanto qualquer tentativa de ataque do oponente a base de b5-b4. O bispo de c1 tem a sua disposição a importante diagonal c1-h6 para implemento dos planos de ataque ao Rei. Além disso, também pode desempenhar papel decisivo quando, postado em e3, em face de seu controle sobre a diagonal g1-a7, colaborar em manobras de contra-ataque das brancas na ala da Dama, viabilizado por lances como a4, ab5 e b4, segundo o caso. O bispo de c2, expulso violentamente de suas posições mais ativas ao começo da abertura, quando agiu pelas diagonais f1-a6, a4-e8 e a2-g8, agora se encontra em situação passiva de simples defensor do peão de e4. Entretanto, enganam-se aqueles que pensam que sua função é apenas essa. Na realidade, o outrora orgulhoso “bispo espanhol” ainda irá desempenhar ações decisivas na luta que se avizinha. Isto porque, além de reforçar o domínio da casa f5, poderá ocupar com força devastadora a casa e4, em caso de uma troca de peças ou peões em f5. Além disso, quando pretas atacarem com seus peões na ala da Dama, poderá reassumir com força o seu poder de outrora na diagonais abertas a4-e8 e a2-g8. Em relação a Dama, a partir de casas-base como e2 e principalmente f3, irá desempenhar papel preponderante nas manobras de ataque ao monarca adversário. E sobre as torres, o papel agora passivo que desempenham será alterado pela ação nas colunas “g”, “f”, “e”, “d” e “a” segundo o caso.

Por sua vez, as pretas também almejam o domínio da coluna, o que em coordenação com a avalanche de peões na ala da Dama que já iniciou e, quando for o caso, o domínio do posto avançado em d3, terá recursos suficientes para alcance do equilíbrio, pelo menos. Seus bispos dispõem de diagonais importantes para se deslocarem, podendo ainda colaborarem na defesa do seu monarca. Os cavalos já ocupam posições ativas. Um deles encara o peão de e4 e o outro olha com volúpia as casas a5, b4 e d4. As torres estão aptas a encetarem atividades seja de ataque pelas colunas “b”, “c” e “d”, seja de defesa na coluna “g”. E a Dama atua como eficiente comandante de seus soldados e oficiais, seja apoiando o avanço na ala da Dama, seja agindo na defesa do seu Rei.

Esses são os planos que se apresentam para ambos os lados.

Logicamente esses planos, como é usual, subordinam-se a vários fatores, entre os quais jogam papel destacado a preparação técnica, a concentração, o talento e a determinação dos jogadores.

Nos dois exemplos citados a seguir, os temas mencionados para um e outro lado serão diligentemente aplicados pelo bando vencedor.

Destaque-se a consistência dos planos adotados. Dois jogadores de elite, que mais tarde viriam a ser campeões mundiais, foram inapelavelmente batidos pela correta condução da partida pelos seus correspondentes adversários...


Fischer, Robert James - Kholmov, Ratmir D C98
Capablanca Mem - Havana, 1965

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Ba4 Cf6 5.0–0 Be7 6.Te1 b5 7.Bb3 0–0 8.c3 d6 9.h3 Ca5 10.Bc2 c5 11.d4 Dc7 12.Cbd2 Cc6 13.dxc5 dxc5 14.Cf1

Com a intenção de levar essa peça aos postos d5 e f5, via e3 ou g3.

14...Be6 15.Ce3 Tad8

Pretendendo o domínio da coluna central aberta.

16.De2 c4

Incrementando a expansão na ala da Dama, e controlando o posto avançado d3. Entretanto, permite a instalação de um cavalo branco em f5, como será visto na próxima partida.

17.Cg5?!

Este lance é algo precipitado, abandonando o controle das casas centrais para ir atrás do canto da sereia que representa a pseudo-debilidade dos peões dobrados e6 e e5.

Essa configuração de peões deve ser avaliada com muito cuidado pelas brancas, porque nem sempre comprometem a posição do adversário. Pelo contrário, em muitos casos a característica de domínio central, representada pelo controle das casas d4-f4-d5-f5, bem como das colunas d e f, tornam as coisas favoráveis às pretas. A debilidade dessa estrutura poderá aparecer no final de partida, mas até lá...

17...h6 18.Ce6 fe6 19.b4?

Era necessário 19.Td1, controlando a coluna aberta para manter o equilíbrio.






19...Cd4!

E eis aí o castigo vindo, literalmente, ``a cavalo``... Explorando sua superioridade central, as pretas trocam um de seus cavalos para obter vantagem posicional expressiva, primeiro na ala da Dama, e após também na ala do Rei.

20.cd4 ed4 21.a3 d3!

Este lance é bem melhor que 21...de3, porque elimina o ativo bispo espanhol

22.Bd3 Td3

As pretas alcançaram seu objetivo de domínio firme da coluna central aberta, tendo inclusive postado uma torre no ponto avançado d3


23.Cg4 Rh7 24.e5 Cg4 25.De4+ g6 26.Dg4 Tf5

Assegurado o domínio central, as pretas dedicam-se a explorar as debilidades do adversário, trafegando com liberdade pelas casas brancas.

27.De4 Dd7 28.Be3 Dd5

Intentando trocar a peça mais ativa do adversário.

29.Dd5 Td5 30.f4 g5! 31.g3 gf4 32.gf4

Ocorre assim o complexo débil f4-e5, cujo peão atrasado de f4 será objeto de pressão, ao mesmo tempo em que a casa à sua frente servirá de ótima base de operação para o monarca das pretas

32...Tf8 33.Rg2 Rg6 34.Tg1

A compensação branca pela ocupação da coluna ``g´´ é apenas aparente. Como será observado, mediante incremento da pressão central e da iniciativa das pretas na ala da Dama, brevemente o domínio dessa importante coluna será invertido.

34...Td3

Retornando ao posto avançado, aumentando a pressão central, agora sobre o bispo de e3, que limitado pelos peões centrais de f4 e e5, não dispõe de casas satisfatórias para sua ação na parte final da partida.

35.Rf3+ Rf5 36.Tg7 Bd8

Minimizando os efeitos da invasão branca da sétima fila, pela ameaça de Bb6.

37.Tb7 Tg8

Invertendo o domínio da coluna g.

38.Tb8 Tg7 39.a4 h5!




Sacrificando o peão de b5, em manobra de desvio das forças do oponente, visando o arremate final mediante invasão de peças na ala do Rei.

40.ab5 ab5 41.Tb5 Bh4 42.Re2 Tg2+ 43.Rf1 Th2 44.Rg1 Te2!

Permanecendo no domínio absoluto da segunda fila.

45.Bb6 c3 46.Rf1 Th2 0–1



Kavalek, Lubomir - Karpov, Anatoly C98
Caracas , 1970

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Ba4 Cf6 5.0–0 Be7 6.Te1 b5 7.Bb3 d6 8.c3 0–0 9.h3 Ca5 10.Bc2 c5 11.d4 Dc7 12.Cbd2 Cc6 13.dc5 dc5 14.Cf1 Be6 15.Ce3 Tad8 16.De2 c4

Até aqui, a partida teve marcha idêntica a de Fischer - Kholmov.

17.Cf5

Esse lance ajusta-se melhor aos requerimentos da posição que aquele realizado por Fischer na partida anterior, pelas razões já mencionadas na parte introdutória desse item.

17...Tfe8

Se 17...Bf5 18.ef5 e brancas tem melhores possibilidades tendo em vista o forte domínio da casa central e4.

18.C3h4

Acionando mais uma peça contra o roque adversário, ao mesmo tempo em que incrementa o controle da casa f5.

18...Rh8 19.Cxe7 De7 20.Df3

Esse lance é bem típico desta posição. Saindo de sua posição passiva em e2, a Dama branca agora atua no controle da casa f5, ao mesmo tempo em que reforça o domínio da diagonal h1-a8, quando de eventual troca em f5.

20...Cd7 21.Cf5 Df8 22.Be3

Controlando a diagonal g1-a7, em especial as casas b6 e c5 de onde os cavalos pretos poderiam exercer pressão sobre a ala da Dama

22...Nc5? 23.Ted1?!

Disputando o controle da coluna central aberta, dentro dos pressupostos posicionais.


Entretanto, seria mais contundente 23.Cg7!, com expressiva vantagem.

Esse lapso das brancas prova uma vez mais que os planos de jogo devem sempre subordinar-se aos requerimentos da posição, lance a lance. O jogador deve estar sempre atento às respostas do adversário, Isto porque, não são raros os equívocos cometidos pelo lado que está na defesa, muitas vezes omitindo golpes táticos como ocorreu aqui.

23...f6

Percebendo a situação comprometida de seu roque, Karpov inviabiliza o sacrifício em g7. Contudo...

24.Td6!

Este lance encaixa-se adequadamente dentro do plano traçado pelas brancas. Não visa ganho imediato de material, e sim o domínio completo das linhas abertas no centro, o que conjugado com a forte posição do cavalo em f5, torna a defesa das pretas muito difícil.

24...Td6 25.Bc5 Td1+ 26.Td1 Dc5 27.Td6!

Persistindo no objetivo de domínio central.

27...Bf7

Se 27...Bf5 28.Td5 De7 29 ef5, o qual irá viabilizar a instalação do bispo espanhol na dominante posição central de e4, com superioridade branca.




28.Dd1

Com domínio completo da coluna central aberta.

28...Cb8 29.Td8

Invasão da posição adversária.

29...Dc7 30.Cd6

Incremento da invasão, forçando trocas das peças mais efetivas na defesa.

30...Td8 31.Cf7+ Df7 32.Dd8+ Dg8 33.Dd6!


Como já havia ocorrido na partida Lasker – Tarrasch, não convém ao lado que tem superioridade trocar peças mais ativas sem motivo suficiente para tanto.

Agora não era bom para as brancas trocarem Damas. A Dama branca continua firme no domínio da coluna central aberta, tocando as principais debilidades do adversário (peão de a6, o cavalo de b8 e o Rei encerrado na oitava fila). Esses fatores fazem com que pretas tenham de despender tempos valiosos para contornar tais dificuldades. Enquanto isso, o bispo espanhol irá para a base de operações e2, com controle das diagonais d1-h5 e f1-a6, auxiliando a Dama na pressão exercida em ambas as alas.

33... De8 34.Bd1 h5 35.Be2 Rh7 36.b3

Incrementando o poder de ação do bispo, fixando de uma vez por todas a debilidade de a6

36...cb3 37.ab3 Cc6 38.b4 Rh6 39.h4 Dc8 40.g3 Rg6 41.Dd1 Rf7 42.Bh5+

E aqui brancas já tem o primeiro retorno material como conseqüência de seu plano de jogo.

42...Re7 43.Bg4




Como corolário da queda do peão de h5, e talvez mais importante que isso, houve incremento da debilidade das casas brancas do oponente, por onde o bispo espanhol terá ampla liberdade de movimento, colaborando decisivamente para o assédio ao monarca adversário.

43...Dc7 44.Dd5 Cd8 45.Bf5 Cf7

As pretas não tem melhor opção, a não ser perder mais material em troca da melhoria de ação de suas peças para tentar obter o empate. Propor troca de Damas em c6 seria contraproducente, tendo em vista a mobilidade superior do bispo em relação ao cavalo, os peões fixos como alvo de ataque na ala da Dama e a superioridade material das brancas.

46.De6+ Rf8 47.Da6 Cd6 48.Da8+ Re7 49.Dg8 Cf5 50.ef5




Finalmente o temível bispo espanhol desaparece de cena. Entretanto, permanece a crônica debilidade das casas brancas, que agora irá se traduzir na queda de peões situados nas casas pretas da ala do Rei, e posteriormente do peão remanescente da ala da Dama.

50...Dc3 51.Dg7+ Rd6 52.Df6+ Rd5 53.Df7+ Re4 54.Db7+ Rf5 55.Db5 De1+ 56.Rg2 De4+ 57.Rh2 Rg4 58.Dd7+ Rf3 59.Qd2 1–0



1. Conclusão

O método de estudo dos lances iniciais e das fases posteriores da partida, aqui proposto, não é auto-suficiente, e muito menos se constitui no único caminho a ser seguido pelo estudioso. Pelo contrário, após ser adotado e compreendido, deve ser complementado com os refinamentos necessários em termos de busca das melhores posições, ou lances, que permitam o alcance dos objetivos tratados.

A par disso, ao longo do tempo, pode-se verificar a incrível capacidade de renovação de variantes nas mais diversas aberturas. Inclusive, muitas passam por períodos cíclicos de validade: o que era um lance bom passa a ser considerado ruim, para mais à frente ser resgatado e ser olhado como alternativa válida novamente.

Isto se encaixa dentro da capacidade inesgotável do espírito criador de todos aqueles que enxergam, no Xadrez, suas infinitas possibilidades de luta, onde as idéias são postas à prova do tempo, e no qual somente há lugar para aqueles que contestam, duvidam, e não se conformam com conceitos estáticos e considerados como verdade única.
Estes, por certo, sairão vencedores, como ocorreu com Morphy, Steinitz, Lasker, Reti, Alekhine, Tal, Fischer, Kasparov e muitos outros.

(Por: Ernesto Luiz de Assis Pereira elap@terra.com.br - Texto do Ciclo de palestras do Clube de Xadrez de Curitiba http://www.cxc.org.br/ realizada em 23-03-2005).

O Centro e a Natureza da Luta no Xadrez II

a) Ruy Lopez – Variante do Câmbio – a original 5.d4

Essa variante apresenta características consistentes para discussão do tema que estamos tratando: ocupação do centro com peões e peças e abertura de linhas centrais.

Para iniciar o análise, vejamos as principais características da posição que se apresenta após os lances 1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 (lance este que constitui a Defesa Morphy), 4.Bc6 dc6.

Até aqui, ambos os lados optaram pela modalidade de ocupação e controle do centro por peças e peões (e4 x e5 e Cf3/Bb5 por brancas e Cc6 por pretas). E na escolha preta da Defesa Morphy (3...a6), brancas optaram pela troca em c6.




E qual a razão desse câmbio? Que vantagem podem esperar as brancas ao cederem assim o par de bispos às pretas, com domínio das importantes diagonais a3-f8 e h3-c8 para os prelados pretos? Porque cederam, ao menos momentaneamente, o controle da coluna “d” para a Dama preta? Porque trocam uma peça por outra, atrasando seu próprio desenvolvimento e acelerando o do oponente?

Os motivos de tantas concessões consistem nos seguintes aspectos de ordem estrutural.

Primeiro, porque da troca resultou supremacia numérica de pões brancos no centro, já que o peão “d” preto foi afastado desse local.

Segundo, porque esse afastamento retira do peão de e4 seu defensor natural, restando a possibilidade de defesa do mesmo apenas pelo peão “f”, sendo este um lance que debilita as diagonais a2-g8 e principalmente h4-e8, esta sendo utilizada como tema de combinação em muitas variantes.

Terceiro, porque o dispositivo de peões pretos na ala da Dama resta com pouca mobilidade, apresentando-se em muitos casos como um alvo fixo de ataque, mediante manobras tais como Cd4-b3-a5, peão a2-a4-a5, Ta1-a6-a7-a8, Bispo c1-e3 e Bispo c1-f4, as quais, procedidas isoladamente ou de forma coordenada, constituem ameaça permanente de invasão e ganho de material.

Quarto, porque o bispo remanescente das brancas é o assim considerado “bispo bom”, pois que trafega em casas de cor oposta à de seu peão central e4.

Quinto, considerada por muitos como a característica mais importante, no caso de um câmbio de peões e Damas em d4, restará configurada uma maioria quantitativa dos peões brancos na ala do Rei, o que em um final de partida pode representar uma vantagem decisiva.

É por essas razões que Lasker não apreciava o lance 3...a6, procurando demonstrar que tratava-se de perda de tempo, e por isso mesmo apressando-se em trocar seu “bispo espanhol” pelo cavalo de c6. E, como já dito, por ser exímio condutor de finais, colheu expressivo número de vitórias com essa troca.

De outro lado, o que podem fazer as pretas para enfrentar todos os pontos favoráveis alinhados para o lado branco? Também não são poucos os recursos que se oferecem nesse sentido.

Primeiro, a posse do par de bispos, com diagonais centrais importantes para o tráfego dos mesmos, ensejam confortável liberdade de ação.

Segundo, porque ao ficar semi-aberta a coluna “e” pelas trocas ocorridas em d4, o peão branco de e4 surge como alvo natural de ataque frontal, podendo ser objeto de pressão por lances tais como Te8, f6 (ou f5, segundo o caso) e Cg1-e7-g6, o que por certo comprometem as peças brancas na defesa e dificulta o alcance dos objetivos do primeiro jogador.

Terceiro, porque essa maior liberdade de ação das peças geralmente proporciona a abertura de outras linhas, centrais ou periféricas, incrementando assim o poder dos bispos e torres do lado das pretas.

Como se percebe, a aparente simplicidade da posição está muito longe de ser simples, apresentando enorme riqueza de temas estratégicos, os quais, coadjuvados por manobras táticas correspondentes, imprimem à partida um dinamismo bastante característico do xadrez contemporâneo.

Para ilustrar o tema, serão apresentadas duas partidas de Lasker.

Lasker, Emanuel - Tarrasch, Siegbert [C68]
World Championship 8th Germany (1), 17.08.1908

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Bc6 dc6 5.d4 ed4 6.Dd4 Dd4 7.Cd4 c5 8.Ce2 Bd7 9.b3 Bc6 (pressionando o objetivo de ataque e4) 10.f3 Be7


Um plano equivocado, que não se ajusta às exigências de controle central. Teria sido melhor 10...Bd6 11.Bb2 f6, prosseguindo com o roque maior, intentando pressão sobre o centro mediante ataque frontal ao peão com Ce7-g6 e The8.

11.Bb2 Bf6 (essa oferta de troca anula a suposta vantagem do par de bispos das pretas, para impedir a pressão exercida pelo prelado branco na diagonal a1-h8) 12.Bf6 Cf6 13. Cd2 0–0–0 14.0–0–0 Td7 (procurando o controle das colunas centrais) 15.Cf4 Te8 16.Cc4 b6 17.a4 a5 18.Td7 Cd7 19.Td1 (controlando a coluna d) Ce5 20.Ce5 (trocando peças com vistas a um final superior) Te5 21.c4 (dificultando a ação da maioria quantitativa das pretas na ala da Dama) Te8 22.Ch5 (manobra diversionista para centralização do Rei e colocação das peças pretas em posições passivas) Tg8 23.Td3 f6 24.Rd2 Be8 25.Cg3 Bd7 26.Re3 Te8 27.Ch5 Te7 28.g4 (mobilização consistente da maioria quantitativa na ala do Rei) c6 29.h4 Rc7 (não é possível b5 por 30.ab5 cb5 31 Td5, ganhando material) 30.g5 f5 31.Cg3 fe4 32.Ne4 Bf5 (renunciando a qualquer possibilidade de obtenção de peão passado na ala da Dama, para tentar conter a escalada branca na ala oposta) 33.h5 Td7 34.Tc3 (evitando trocar uma peça ativa por outra com menor poder de ação) Td1 35.Rf4 Bd7 36.Te3 Th1 37.Cg3 Th4+ 38.Re5 Th3 39.f4 Rd8



Como sempre ocorre nesse tipo de posição, pretas tem muitas dificuldades para mobilizar seu Rei na defesa do centro e da ala onde brancas tem maioria.

40.f5 Th4 41.f6 gf6+ 42.Rf6 Be8 43.Cf5 (manobra tática que implementa o plano) Tf4 44.g6 hg6 45.hg6 Tg4 46.Te8+! (o arremate final) Rxe8 47.g7 Rd7 48.Ch4 Tg7 49.Rg7 Re6 50.Cf3 Rf5 51.Rf7 Re4 52.Re6 Rd3 53.Rd6 Rc3 54.Rc6 Rb3 55.Rb5 1–0

Lasker,Emanuel - Capablanca,Jose Raul [C68]
St Petersburg, 1914

Esta partida ficou famosa não tanto pelo seu resultado, mas sim pela forma como ele foi obtido pelo então Campão Mundial Emanuel Lasker.

Até a rodada desse encontro, faltando ainda quatro para o final do torneio, Lasker estava um ponto atrás do jovem líder Capablanca. Portanto, tinha de alcançá-lo a qualquer preço, se quisesse reunir ainda condições de lutar pela primeira colocação.

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Bc6

Um lance surpreendente, típico do xadrez psicológico de Lasker. Todos sabiam que a Variante do Cambio constituía uma arma letal nas mãos do campeão mundial. Entretanto, poucos acreditavam que ela seria adotada nessa partida, tendo em vista a notável capacidade analítica demonstrada pelo jovem líder. Entretanto, jogando com a natural autoconfiança de Capablanca, Lasker não lhe deu condições de perceber suas intenções agressivas.

4...dc6 5.d4 ed4 6.Dd4 Dd4 7.Cd4

Ao desaparecerem as Damas, era de se perguntar se esse era o modo correto de tentar a vitória em uma partida decisiva...

7...Bd6 8.Cc3 Ce7 9.0–0 0–0 10.f4 Te8

Procurando o controle da coluna central, ao mesmo tempo em que inicia o processo de assédio ao peão e4.

11.Cb3 f6 12.f5!

Esse lance foi recebido com surpresa pelos presentes e comentadores. Contrariando os princípios do Xadrez Clássico, as brancas cedem ao adversário o controle da casa e5, ao mesmo tempo em que deliberadamente enfraquecem sua posição central em face do peão de rei atrasado. E, além disso, tornam quase impossível a realização de sua supremacia numérica de peões na ala do Rei.

Entretanto, Lasker havia enxergado muito mais além...

12...b6

Com o objetivo lógico de pressionar e4 via Bb7, já que a ação dessa peça restou limitada pelo avanço f5 das brancas. Assim, o controle da diagonal h1-a8 harmoniza-se com o plano das pretas de pressão e domínio das linhas centrais.

13.Bf4 Bb7?

Um erro, que somente pode ser debitado à confiança excessiva de Capablanca em suas possibilidades de vitória ou empate. Justamente o que almejava Lasker.

14.Bd6 cd6

E aqui parece que tudo está bem para as pretas, o peão d voltou a participar da luta pelo centro, os peões dobrados não mais existem e a falha estrutural das brancas permanece como alvo de ataque.

15.Cd4 Tad8?

Um lance natural, buscando a defesa do peão d6 e possibilidades futuras de domínio da coluna d. Entretanto, esse movimento demonstra que as possibilidades das brancas, a partir do avanço f5, foi subestimada pelo lado preto. Por isso, era imperioso o preventivo 15. Bc8, o qual ainda que constituísse renúncia da pressão desse bispo sobre e4, por seu turno evitaria a instalação do perigoso cavalo branco na casa e6.

16.Ce6 Td7 17.Tad1

Aproveitando-se da passividade imposta ás peças contrárias, onde a pressão exercida na coluna ``e´´ não mais existe e o bispo encontra-se encerrado atrás dos peões pretos, Lasker incrementa o controle das casas centrais via pressão das peças pesadas na coluna ``d´´, dentro dos pressupostos clássicos dessa variante.

17...Cc8 18.Tf2 b5 19.Tfd2 Tde7 20.b4 Rf7 21.a3 Ba8?

Como corolário de suas ações de reforço do domínio central, Lasker observa que as peças pretas cada vez mais se retiram para casas periféricas (lances 17...Cc8 e 21...Ba8). Este último constitui mais um erro, concordando os analistas que o sacrifício de qualidade 21...Te6 22.fe6 Re6 teria proporcionado as pretas melhores condições de resistência.

22.Rf2 Ta7

Ao desaparecerem suas chances de domínio central, pretas procuram respirar pelas linhas extremas do tabuleiro, Entretanto, essas rupturas a nada levam, porque os pontos de invasão estão todos sob domínio do lado branco. Inclusive, mais tarde as colunas assim abertas servirão de vias de invasão para o lado que detém a superioridade central.

23.g4 h6 24.Td3

Controlando antecipadamente o ponto de invasão a3, defendendo a peça de c3, além de poder trafegar rapidamente em para a ala do Rei.

24...a5? 25.h4 ab4 26.ab4 Tae7

Percebendo que nada tinha a obter na coluna ``a´´, pretas retornam essa peça para a defesa de sua posição central.

27.Rf3 Tg8 28.Rf4

Brancas persistem em seu plano de domínio central, agora já estendendo suas possibilidades para eventual ruptura na ala do Rei.

28...g6 29.Tg3 g5+ 30.Rf3 Cb6 31.hg5 hg5 32.Th3!

Neste ponto as brancas não se contentam em apenas ganhar material mediante 32.Td6, tendo em vista a situação altamente comprometida das peças pretas.

32...Td7

O cavalo preto não pode aspirar a um melhor posto via c4-e5, porque brancas dominariam também a coluna ``a´´, com o ponto de invasão a7 e o bispo comprometido de a8 caindo em suas mãos.

33.Rg3

Preparando o ``grand finale´´

33...Re8 34.Tdh1 Bb7

35.e5!


O clímax de todo o plano das brancas. Mediante entrega do peão deliberadamente atrasado na fase inicial da partida, o cavalo de c3 irá ocupar a casa e4, dominando casas centrais críticas na posição das pretas.

35...de5 36.Ce4 Cd5 37.C6c5 Bc8 38.Cd7 Bd7 39.Th7 Tf8 40.Ta1!

Invasão pela coluna aberta pelo lado preto...

40...Rd8 41.Ta8+ Bc8 42.Cc5 1–0

E ante a derrota de Capablanca para Tarrasch na rodada seguinte, Lasker conseguiu seu intento de vencer o Torneio.


b) Ruy Lopez – Câmbio – a Variante Barendregt-Fischer

As vitórias colhidas por Lasker e outros mestres com a variante original 5.d4 logo despertaram o interesse dos partidários da Defesa Morphy em encontrar linhas mais adequadas para as pretas. Inclusive, como ocorreu nas duas partidas anteriores, muitas das vitórias das brancas ocorreram por erros na condução do jogo adequado para o lado preto, sendo a posteriori estabelecidos planos defensivos mais consistentes, com o estado da teoria atual rotulando essa variante como empatativa ou até mesmo de leve vantagem para as pretas. E como ocorre frequentemente, ao não mais proporcionar os resultados esperados, a Variante do Câmbio desapareceu da prática magistral por mais de cinqüenta anos.

Entretanto, em meados do século XX, mais precisamente na década de 60, o mestre holandês Barendregt praticou o insólito lance 5.0-0!, obtendo expressivas vitórias sobre mestres como Portish, Sliwa e Litlewood.

Contudo, por se tratar de um mestre fora da lista dos mais ranqueados, ninguém prestou a devida atenção a esse lance. Ninguém... exceto Bobby Fischer! Compreendendo de pronto o alcance estratégico dessa linha, Fischer testou-a e logo passou a aplicá-la em suas partidas, conseguindo retumbantes vitórias sobre alguns dos mais destacados mestres daquele tempo, entre os quais se incluem Portish, Gligoric e Unzicker.

Para melhor compreensão das idéias estratégicas que fundamentam essa linha, é pertinente sua comparação com aquela derivada da antiga variante adotada por Lasker.

Desse modo, após 5.0-0, a forma mais econômica de defesa do peão e5 é mediante 5...f6, ao que segue de pronto a ruptura central 6.d4. Se as pretas jogam a seqüência natural 6...ed4 7.Cd4 c5 8.Cb3 Dd1 9.Td1, a posição resultante, comparada com aquela correspondente do lance 7.Cd4 da variante praticada por Lasker, apresenta as diferenças elencadas a seguir.








Primeiro, as brancas já rocaram, e a torre do Rei ocupa a importante coluna “d” aberta mediante as trocas anteriores de peões centrais e Damas.

Segundo, o cavalo em b3 ocupa posição bastante ativa, atacando o peão preto em c5 e podendo saltar a a5 para provocar debilidades na estrutura de peões pretos da ala da Dama.

Em razão desses fatores, pode-se dizer que as brancas ganharam pelo menos dois tempos em relação à antiga variante.

Quanto às pretas, nesse entretempo apenas realizaram os lances f6 e c5, limitando o desenvolvimento de seu cavalo e do bispo de f8, respectivamente.

E em relação às demais características da Variante do Câmbio, nada mudou substancialmente. As brancas mantiveram sua maioria quantitativa na ala do Rei, o controle da coluna “d” permanece firme em suas mãos, e suas peças menores possuem excelentes casas e diagonais para pressionarem a posição adversária.

Por seu turno, apesar do atraso de desenvolvimento relativo à posição da variante antiga, as pretas devem persistir em suas ações de minar o centro branco, ativando ao máximo suas peças pesadas e seu par de bispos, evitando trocas desnecessárias que só fazem pender o fiel da balança para o lado branco, no final resultante.

Para ilustrar todas essas alternativas, serão apresentadas duas partidas, uma de Fischer e outra mais recente.

Fischer, Robert James - Portisch, Lajos
Havana ol (Men) fin-A
1966.10.25
Eco C69

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Bc6 dc6 5.0-0 f6

Outras defesas são possíveis neste momento, entre as quais se incluem 5...Bg4, 5...Dd6, 5...Bd6, 5...De7 e 5...Ce7, recaindo a escolha em questões de gosto pessoal preparação técnica e psicológica e outras. Por exemplo, para o jogador de pretas que deseja lutar pela vitória, uma das linhas que melhor poderiam responder a essa aspiração seria 5...Bg4, pois que a 6.h3 seguiria 6...h5!?, resultando uma luta aguda com reduzidas possibilidades de empate.

6.d4 ed4 7.Cd4 c5 8.Cb3 Dxd1 9.Txd1 Bd6?!

Esse é um lance natural, que obstrui a ação da torre branca na coluna “d”, controla a diagonal h2-b8 e defende o peão de c7 do ataque branco Bf4, tudo conforme os preceitos gerais de tratamento dessa posição pelas pretas, como já enunciado. Entretanto, todas essas razões são insuficientes para atestar a conveniência de 9...Bd6, em face da réplica branca a seguir. Melhor aqui são lances como 9...Bd7, 9...Be6 e 9...Bg4, que conferem razoáveis chances de equilíbrio para o lado preto.

10.Ca5!

Dificultando o desenvolvimento do prelado preto de c8, com ameaça simultânea de pressionar d6 mediante Ca5-c4.

10…b5

Nas atuais circunstâncias, constitui a melhor defesa, neutralizando as ameaças representadas pelo cavalo de a5. Entretanto, debilita a estática estrutura de peões pretos da ala da Dama, viabilizando a seguinte réplica:

11.c4!

Em relação à forma de tratamento da estrutura de peões, está consolidada na teoria e na prática, com as exceções que justificam a regra, de que para implementar a debilidade representada por peões dobrados é sempre desejável que se avance o peão adversário que se encontra em frente aos mesmos. E esse é justamente o caso dessa posição.

11...Ce7 12.Be3 f5

Procurando neutralizar a boa colocação das peças menores brancas, mediante ataque ao centro branco.

13.Cc3 f4 14.e5 Be5

A melhor continuação. Se 14...fe3 15.ed6 ef2 16.Rf2 0-0 17.Rg1 cd6 18.Td6 Bf5 19.Te1! o domínio das linhas centrais seria todo das brancas, e as debilidades das pretas na ala da Dama breve seriam objeto de ataque.



15.Bc5 Bc3 16.bc3 Cg6


Ocorre que a posição resultante é manifestamente favorável ao lado branco, eis que as pretas estão impossibilitadas de rocar, suas torres encontram-se distantes do cenário central e as colunas “d” e “e”, abertas mediante as trocas de peças e peões, encontram-se sob domínio exclusivo das brancas.

17.Cc6 Be6 18.cb5 ab5 19.Ca7

Fischer não dá trégua em suas ameaças, e pouco a pouco vai otimizando a posição de suas peças, ao mesmo tempo em que mantém as do adversário o mais passivas possível, até o momento adequado para converter sua vantagem posicional em ganho de material.

19...Tb8 20.Tdb1 Rf7 21.Cb5 Thd8

Somente agora, depois de ceder material, as pretas conseguem ativar suas peças pesadas. Por seu turno, Fischer persiste em seu propósito de incrementar ainda mais a atividade de suas peças, mantendo as do adversário em constante ameaça, bem como explorando a posição exposta do monarca contrário.

22.Tb4 Ba2 23.Cc7 Tbc8 24.h4 Td2 25.Bb6 f3 26.Be3 Te2 27.Cb5 Ta8 28.h5 Ce5 29.Tf4+ Re7 30.Td1! Tc8 31.Te4


Voltando a dominar as colunas centrais abertas.

31...Rf6 32.Td6+

O arremate final.

32....Rf5 33.Tf4+ Rg5 34.Tf3+

Colocando o monarca adversário em rede de mate. 1-0

Por: Ernesto Luiz de Assis Pereira elap@terra.com.br - Texto do Ciclo de palestras do Clube de Xadrez de Curitiba http://www.cxc.org.br/ realizada em 23-03-2005).

O Centro e a Natureza da Luta no Xadrez I

1. Preliminares.

No estudo e na prática enxadrística, deparamo-nos cotidianamente com o problema de como proceder em relação ao tipo de posição central que se apresenta a nossa frente. Seja qual for a abertura ou defesa utilizada, temos de elaborar um plano de ação, baseado em princípios de ordem geral e na análise concreta de variantes, que sirva de guia para alcançarmos posição superior ou equilibrar uma situação de inferioridade, segundo o caso.

Existem variados métodos e escolas de treinamento que tratam desse tema. Alguns dão preferência à classificação metódica das aberturas e defesas, com a caracterização e fixação de suas particularidades, posições e lances críticos. Outros se servem de anotações e comentários, próprios ou de grandes mestres, para traçar o modo de tratamento da posição a sua frente, logo após os lances iniciais. Ocorrem ainda outros métodos, resultantes de uma simbiose dos dois precedentes ou até mesmo sob ângulo totalmente diverso. Um deles consiste em se partir das posições típicas de finais de peões, cuja estrutura irá determinar o plano estratégico a ser implementado durante toda a partida.

Inclusive, neste último caso insere-se o célebre tratamento que Emanuel Lasker dava à Variante do Câmbio da Abertura Ruy Lopez:

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Bc6 dc6 5.d4 ed4 6.Dd4 Dd4 7.Cd4

Mediante troca em c6, Lasker abre mão do par de bispos para dobrar peões pretos na coluna “c”, trocar o peão “d” pelo peão de rei das pretas, obtendo maioria quantitativa de peões na ala do rei, para então entrar em um final com o principal objetivo de explorar essa maioria. Como foi exímio finalista, essa era uma estratégia mortal para o seu adversário, tendo inclusive vitimado jogadores do porte de Steinitz, Tarrasch, Janowsky, Marshall e até o grande Capablanca, este na famosa partida do Torneio de São Petersburgo, em 1914. Coletânea de partidas baixadas do banco de dados do Chessbase revela que, dentre 23 partidas de Lasker com a Variante do Câmbio, ele alcançou expressivos 18,5 pontos (80,43%), com apenas uma derrota frente a Steinitz (tendo ganho outras duas, todas as três jogadas no Campeonato Mundial de 1896-97). Em frente, quando do tratamento do tema central desse artigo, serão apresentadas algumas partidas escolhidas do imortal Campeão.

Modernamente, um método que muitos mestres, teóricos e treinadores costumam adotar consiste em se tratar as posições sob o enfoque do controle de casas centrais e de suas linhas correspondentes. Aqui, inexiste a preocupação inicial de classificação sistemática de aberturas ou defesas, assim como também a necessidade de identificação de posições e variantes críticas. Essas fases ocorrerão somente em momento posterior do estudo, quando os conceitos de controle estiverem suficientemente consolidados na mente do enxadrista, passando-se então ao estágio de refinamento de planos e variantes.

Segundo esse método, as posições derivadas da abertura e do meio-jogo servem fundamentalmente como meio de se proceder a uma leitura estratégica de suas possibilidades, em termos da ocorrência, ou não, de ocupação, bloqueio, linhas abertas, pontos de ruptura, meios de retardo das ações do adversário, invasão da posição adversária, e o mais, tudo isso complementado com manobras diversionistas que procuram atrair as peças contrárias para o lado oposto em que ocorre, ou ocorrerá, a luta decisiva. Como se vê, trata-se de um gigantesco esforço de manobras, sempre tratadas de forma dinâmica, que constituem em síntese o estado da arte do xadrez contemporâneo.

E é justamente desse método que vou fazer breve abordagem neste trabalho.

2. Controle de casas centrais

Muitos autores definem o centro como o conjunto de 4 casas d4-e4-d5-e5. Afirmam que, dominado o centro, as ações se processam com mais liberdade, em todo o tabuleiro, porque é a partir dessas casas centrais que as peças adquirem sua potência máxima, seja no ataque como na defesa.

Outros teóricos afirmam que o centro é constituído por um conjunto maior, qual seja o quadrado formado pelas 16 casas c3-d3-e3-f3-c4-d4-e4-f4-c5-d5-e5-f5-c6-d6-e6-f6, ao que denominam de centro ampliado.

Seja como for, o fato é que ocorre unanimidade sobre a necessidade de controle desses locais, seja pela sua ocupação, seja pela sua vigilância à distância.

3. Linhas abertas

Ocorre também unanimidade prática e teórica sobre o tema do controle de linhas abertas, sejam elas colunas, fileiras horizontais (filas) ou diagonais, principalmente aquelas que passam pelas casas centrais ou suas adjacências. Isto porque, bispos, torres e damas exercem sua máxima efetividade quando dispõem de longos trajetos para percorrerem no tabuleiro, podendo ir rapidamente de um ponto a outro, atacando debilidades do oponente ou defendendo pontos críticos próprios.

As linhas adjacentes àquelas que passam pelas casas centrais, localizadas em áreas periféricas do tabuleiro, também desempenham papel importante na organização dos planos estratégicos. Por exemplo, o domínio da sétima fila, da coluna “g” ou da diagonal “h6-f8” (“h3-f1”) sobre o roque adversário, constituem fatores, em grande maioria dos casos, decisivos para a vitória. Entretanto, subordinam-se o mais das vezes ao prévio controle das casas centrais e/ou das linhas abertas que passam pelo centro. cro pontosos trajetos para percorrerem no tabuleiro, podendo ir rapidamente de um ponto a outro, atacando debilidades do oponente ou defendendo pontos críticos próprios.

4. Formas de controle do centro

O conjunto de pressupostos descritos nos itens 2 e 3 retro (controle de casas centrais e de linhas abertas que passam pelo centro), podem ser alcançados de múltiplas formas. E a esse respeito resulta interessante recapitular a forma como esses conceitos de controle evoluíram através do tempo.

Tomando como marco zero o Xadrez Romântico, percebe-se que na fase inicial da partida a atitude do jogador era de um controle agressivo e instantâneo do centro, com o objetivo principal de desfechar um ataque violento e imediato contra o rei adversário. Para tanto, prevaleciam as linhas de gambito, (do Rei, Fegatello, etc.). E o lado defensor tinha unicamente a preocupação de manter o material sacrificado, confiando em sobreviver à tormenta para então fazer prevalecer sua força numérica. São dessa fase os exemplos imortais de mestres como Andersen, Blackburne, e outros.

No Xadrez Clássico, as coisas já mudaram substancialmente. Foram aprimoradas as técnicas de defesa, e a preocupação de domínio do centro tornou-se mais consistente e duradoura. Capitaneados pelo genial Steinitz, os mestres daquela época sabiam que, desde o centro, poderiam aspirar às manobras de ataque e defesa com maior probabilidade de sucesso. Portanto, defendiam seu controle ou domínio via ocupação prévia por peões e peças, para então prosseguir com a luta em outras áreas do tabuleiro. E, em relação aos gambitos, só eram aceitos sob a condição de, na primeira oportunidade, ser devolvido o material para obtenção do equilíbrio, e até mesmo de vantagem ou iniciativa. Caso contrário, as ofertas eram recusadas, preferindo-se manter o controle das casas centrais, seja por trocas, manutenção da tensão ou por contra-ataque, com a finalidade de procurar neutralizar as investidas do adversário. Exemplo típico dessa abordagem constitui a Defesa Ortodoxa do Gambito da Dama:

1.d4 d5 2.c4 e6 3.Cc3 Cf6 4.Bg5 Be7 5.e3 0-0 6.Cf3 Cbd7
Nessa linha, enquanto o lado branco procura minar as defesas do oponente dirigidas ao centro, via pressão com c4, Cc3 e Bg5, procurando com isso o seu domínio com o avanço posterior de peão para e4, as pretas defendem-se recusando a troca em c4, fortalecendo o peão d5 com os lances e6, Cf6, Be7 e Cbd7.

E então sobreveio o Xadrez Hipermoderno. O geniais Reti, Nimzovitsch, Tartakower e seus seguidores apregoaram que o domínio do centro via ocupação sistemática não se constituía na única alternativa de seu domínio. Assim, foram implementados e aperfeiçoados os métodos de controle a distância, onde os fianquetos e os movimentos laterais de peças e peões formavam o arsenal de recursos com essa finalidade. Inclusive, lances como a troca de um peão em d5 por outro de c4, com total abandono de ocupação do centro, considerados heréticos pela escola clássica, foram deliberadamente adotados. É o caso, por exemplo, da Variante das Trocas na Defesa Grünfeld:

1.d4 Cf6 2.c4 g6 3.Cc3 d5 4.cd5 Cd5 5.e4 Cc3 6.bc3 Bg7


Alguns foram mais radicais ainda. Breyer, um dos inconoclastas do hipermodernismo, chegou a afirmar que “Depois e 1.e4, o jogo das Brancas está em sua última agonia”.

Na atualidade, o que existe é uma simbiose complexa de todas essas alternativas. Liderado pela Escola Soviética nos anos 50, o assim denominado Xadrez Dinâmico resume conhecimentos de todas as fases anteriores, e os mestres de hoje têm de se defrontar com mudanças radicais na condução dos planos, seja entre partidas, seja durante uma mesma partida. E, em minha opinião, essa é a característica principal que deu causa a um verdadeiro renascimento do xadrez, como esporte, arte e ciência. Kasparov, à parte as questões que envolvem seu caráter arrogante e de vale-tudo, tecnicamente pode ser considerado o atual representante dessa Escola.

Portanto, considerando-se tudo o que foi exposto, pode-se classificar o controle das casas centrais, por brancas e pretas, conforme o seguinte elenco de alternativas:

a)- Ocupação simultânea, por exemplo, 1.e4 e5. Aqui, tanto brancas como pretas preocupam-se em controlar o centro via posicionamento de peões e peças em suas casas.

b)- Ocupação do centro por um bando e controle a distância por outro, por exemplo 1.d4 Cf6 (ou 1. Cf3 d5). Nesse caso, enquanto um bando preocupa-se com a ocupação física, o outro prefere o controle a distância. Inclusive, em alguns casos chega-se ao extremo de um lado provocar o avanço dos peões centrais do oponente, em operação de duplo gume: sujeitar-se à asfixia por diminuição de território de operações, para em compensação empreender manobras de pulverização dos infantes assim avançados. Exemplo radical dessa tática é a Defesa Alekhine, Variante dos Quatro Peões:

1.e4 Cf6 2.e5 Cd5 3.c4 Cb3 4. d4 d6 5.f4 de4 6.fe4 Cc6 7.Be3 Bf5 8.Cc3 e6 9.Cf3 Cb4.

Observa-se que, enquanto o lado branco avançou seus peões centrais, conquistando território, reforçando a defesa dos mesmos e preparando a cena para violento ataque à posição do bando preto, este preocupou-se em desenvolver suas peças rapidamente, mantendo intacta sua estrutura de peões visando um melhor final, ao mesmo tempo que, com manobras ativas, está empreendendo ação de minar o centro branco, pulverizando sua estrutura distendida. Continuando cada lado com seus planos, tem-se agora: 10.Tc1 (defendendo-se do xeque em c2 e reforçando casas centrais) 10...c5 (minando o controle da casa d4), etc.


c)- Controle do centro a distância pelos dois bandos, por exemplo, mediante 1.Cf3 Cf6 2.g3 g6 3.Bg2 Bg7, etc. Em algumas linhas, chega-se ao extremo de desenvolver cavalos via a3 ou h3 (a6 ou h6), e até mesmo pressionar o centro via dispositivo Da1-Bb2. Neste último caso inserem-se as partidas de Reti, entre as quais sua vitória ante F. Fischer, no Match de Viena 1923:

1.Cf3 Cf6 2.c4 e6 3.g3 d5 4.Bg2 c6 5.b3 Cbd7 6.Bb2 Be7 7.0–0 0–0 8.d3 b6 9.Cbd2 Bb7 10.Tc1 Tc8 11.Tc2 c5 12.Da1 Bd6 13.cd5 ed5 14.Ch4 Te8 15.Cf5 Bf8 16.Cc4 Dc7 17.Cce3 Db8


18.Bf6 Cf6 19.Ch6+ gh6 20.Df6 d4 21.Bb7 Db7 22.Cf5 Tc6 23.Dh4 Tg6 24.e4 b5 25.Df4 Dd7 26.Ta1 Tc8 27.a4 Ta6 28.Tac1 ba4 29.ba4 Ta4 30.Tc5 Tc5 31.Dg4+ Rh8 32.Tc5 Tb4 33.Td5 Dc8 34.Dh4 Dc1+ 35.Rg2 Tb1 36.Td8 Df1+ 37.Rf3 Dd3+ 38.Rf4 Dd2+ 39.Rg4 1–0

5. Abertura e controle de linhas centrais

Em relação às linhas centrais abertas, estas ocorrerão mediante trocas de peões e posicionamento de bispos, torres e damas ao longo das diagonais, colunas e fileiras cujas casas restaram totalmente ou parcialmente livres de peões e peças. Portanto, esse cenário ocorre logo após os lances iniciais da abertura, ou até mesmo durante essa fase.

É o caso, por exemplo, da seguinte variante na Partida Escocesa:

1.e4 e5 2.Cf3 CC6 3.d4 ed4 4.Cd4 Bc5 5.Be3 Df6 6.c3 Cge7 7.g3


Esta variante é bastante conhecida da GM feminina polonesa Joanna Dworakowska (2441), com a qual vem colhendo importantes resultados. Sua partida com Alexander Onischuk (2655) no Open de Skopje 2002 seguiu assim:

7...d5 8.Bg2 Bd4 9.cd4 de4 10 Cc3 Bf5 11.d5 0-0-0 12.Db3 Cd4 13.Da4 Cf3 14.Bf3 ef3 15.Da7 Da6 16.Da6 ba6 17.0-0-0


Mediante sacrifício temporário do peão e4 (10.Cc3), Joanna optou pelo controle acelerado das casas centrais d4 e d5, abrindo a diagonal g1-a7 para seu Bispo e controlando firmemente a coluna “d” (0-0-0), reforçando seu posto avançado em d5.

17…Bg6 18.Bc5 Cf5 19.The1 f6 20.Td3! Cg3 21.Tf3 Cf5 22.Tf4! Rd7 23.h4! Cd6 24.Tg1 Thg8 25.Tfg4! Rc8 26.Ta4!

Assegurado assim o domínio das linhas centrais, Joanna empreendeu pressão sobre as debilidades das pretas na ala da Dama, primeiro mediante manobra diversionista para criação de fraquezas alternativas na ala oposta (lances 20.Td3!, 22.Tf4!, 23.h4!, 24.Tg1 e 25.Tfg4!, para então entrar em final superior mediante trocas em b5, d8 e d6 com posterior invasão e ganho de material na ala da Dama, ante a posição passiva das pretas resultante do plano adotado.

É ainda digno de nota a eficiente colocação do peão em h4. Com apenas um lance, brancas cumprem três objetivos importantes para obtenção de posição superior: a)- ameaça direta e instantânea sobre o cavalo de f5; b)- ameaça de ganho dos peões de g7 e h7, mediante o avanço h4-h5; c)- retardo de ação da torre preta remanescente, que teve de permanecer na defesa do peão “g” (primeiro em g7 e depois em g5), somente sendo possível sua liberação após o lance 34...g4, quando então o lado branco já havia invadido e ganho material na ala da Dama.

26...Bd3 27.Tg3 Bf1 28.Tg1 Bb5 29.Cb5! ab5 30.Ta8 Rd7 31.Td8 Rd8 32.Bd6 cd6 33.Rd2 g5 34.Rc3 g4 35.Rb4 f5 36.Rb5 Rd7. 37.b4 Te8 39.a4 Te2 40.Tf1 Td2 41.a5 Td5 42.Rb6 Td2 b6 1-0.

É importante destacar que o controle das linhas centrais permitiu o trânsito livre da torre de d1 (via d3, f3, f4, g4, a4, a8 e finalmente d8), bem como o posicionamento privilegiado do bispo em c5, o qual eliminou o cavalo bloqueador-defensor de d6 no momento oportuno.

Este é um contundente exemplo do potencial desenvolvido pelas peças quando lhes é assegurado o prévio domínio de linhas centrais abertas.

Pode ocorrer ainda a situação de o centro restar totalmente cerrado durante a fase inicial da partida, como por exemplo:

Na Defesa Francesa:

1.e4 e6 2.d4 d5 3.e5

Na Abertura Ruy Lopez:

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 a6 4.Ba4 Cf6 5.0-0 Be7 6.Te1 b5 7.Bb3 0-0 8.c3 d6 9.h3 Ca5 10.Bc2 c5 11.d4 Dc7 12.Cbd2 Cc6 13.d5

Ou na Defesa Índia do Rei:

1.d4 Cf6 2.c4 g6 3.Cc3 Bg7 4.e4 d6 5.Cf3 0-0 6.Be2 e5 7.d5

Nesse caso, as operações de aberturas de linhas serão viabilizadas mediante duas alternativas: sacrifícios posteriores contra a cadeia de peões, garantido por efetivo controle e pressão de peças e peões atacantes ou defensores, ou rupturas laterais mediante contatos via o tema das Maiorias Qualitativas, conforme ensina Henrique Sérgio de Andrade Marinho em sua notável obra “Maiorias Qualitativas nas Defesas Índias” (Ibrasa - SP/2004). Ainda dentro desse tema, permanecendo cerrado o centro, a luta deriva para a abertura de linhas nas zonas periféricas do tabuleiro.

Cabe registrar que todos esses temas estão intimamente interligados. Assim, a luta central pode assumir múltiplas variações em termos de modalidade de ocupação ou controle a distância, conjugada com a abertura de linhas, sejam elas diagonais, colunas ou filas, tudo isso mudando instante a instante, assumindo o plano estratégico uma gama exponencial de escolhas, dentro da interminável complexidade inerente ao Xadrez. Portanto, não há fórmula infalível, e tampouco receita fixa que proporcione ao jogador um porto seguro para se orientar. Tudo depende do talento, do esforço e da determinação de cada um para que, ele e somente ele, possa estabelecer a forma mais adequada de se conduzir entre uma partida e outra, e até mesmo entre uma posição e outra, dentro da mesma partida. Lembrar ainda que, do outro lado o oponente também tem seus planos, e o resultado final vai depender de qual lado conseguirá impor jogo mais acurado, em termos técnicos, artísticos e psicológicos.

Em razão das modalidades de ocupação central e abertura de linhas já mencionados, este trabalho foi dividido em várias partes, em face da extensão e complexidade do tema. Nessa primeira parte será enfocado o item a), com ocupação de peões e peças, coadjuvado por abertura e controle de colunas centrais.

6. Domínio do centro mediante sua ocupação com peões e peças, coadjuvado por abertura e controle de colunas centrais

Este plano é de ocorrência freqüente em grande número de aberturas e defesas, notadamente aquelas que derivam dos lances 1.e4 e5 e 1.d4 d5.

Para a abordagem do tema, revelam-se altamente adequadas como exemplos as linhas oriundas da Abertura Ruy Lopez, em especial aquelas resultantes da Variante do Câmbio e da Variante Chigorin, ambas na Defesa Morphy. São essas linhas que serão consideradas daqui em diante.

(Por: Ernesto Luiz de Assis Pereira elap@terra.com.br - Texto do Ciclo de palestras do Clube de Xadrez de Curitiba http://www.cxc.org.br/ realizada em 23-03-2005).